MOBILIDADE URBANA

Temos que trabalhar para maior mobilidade da população, por isso darei continuidade a dois projetos do então Vereador Goulart: a construção da Ponte Graúna / Gaivotas e a extensão da Marginal Pinheiros que irão contribuir para maior qualidade de vida das pessoas que hoje sofrem paradas durante horas no trânsito. Também acredito que o transporte urbano deve conviver pacificamente em todos os seus modais, para isso pretendo atuar incisivamente em algumas frentes como, por exemplo, na questão dos semáforos em São Paulo que, diante de pequenas chuvas, ficam embandeirados ou com amarelo piscante. A rede semafórica da cidade precisa de investimentos em modernização, seja na resistência às intempéries como também na concepção de “semáforos inteligentes”, o que impacta diretamente na melhoria da fluidez do trânsito. Outro ponto relevante que pretendo atuar é em relação à qualidade da pavimentação das vias. Em regiões mais centralizadas vemos com certa constância o processo de recapeamento, porém nos bairros mais afastados, que são grandes polos geradores de trânsito, ainda vemos muitas vias esburacadas e mal sinalizadas.

fundo parallax

Ponte Graúna/Gaivotas

O projeto apresentado pelo então Vereador Goulart à Prefeitura trará para a população da região do Grajaú uma grande melhoria na fluidez do trânsito. No projeto original, essa ponte ligaria o Jardim Gaivotas/ Cantinho do Céu ao Jardim Graúna, com essa ligação o trânsito da Av. Dona Belmira Marin diminuiria bastante, pois deixaria de ser o único eixo de ligação da região com o Centro da cidade. A Prefeitura realizou algumas mudanças no projeto inicial transformando o traçado em Ponte Gaivotas/Progresso. Quero dar continuidade ao trabalho apresentado pelo Vereador Goulart à época, atuando junto à Prefeitura para que o projeto original Gaivotas/Graúna seja restabelecido por apresentar diversas vantagens, sendo a principal delas o pequeno número de desapropriações, visto que o viário do Jardim Graúna permite a implantação de um binário que não necessitaria de desapropriações, em contraponto à proposta da Prefeitura que obrigaria os moradores do Jardim Progresso perderem suas moradias para implantação de novas vias. 

Extensão da Marginal do Rio Pinheiros 

Enquanto vereador da cidade de São Paulo, esta foi uma importante luta de Goulart, por tratar-se de uma obra que revitalizará o eixo de desenvolvimento no local possibilitando aumento do potencial construtivo, de acordo com o novo Plano Diretor da cidade. Darei continuidade a este projeto agora em conjunto com o então Deputado Federal, pois esta obra contribuirá muito para a mobilidade urbana, visto que os veículos não precisarão mais cruzar o rio em direção a Interlagos, reduzindo muito o tempo de viagem, o que trará muitos benefícios aos moradores do extremo sul. O traçado proposto contempla a continuação da Marginal do Rio Pinheiros no sentido bairro, da Ponte João Dias até a Ponte Vitorino Goulart, margeando o rio pelo lado direito.

Qualidade das vias

A cidade de São Paulo possui 17 mil km de ruas e avenidas, surgindo cerca de 1,5 mil buracos por dia e essa situação tem se tornado recordista de reclamações na Ouvidoria da Prefeitura. Não existe uma lei específica para esta demanda e o investimento em melhorias nas vias acontece mediante reserva orçamentária, e nos últimos anos da atual gestão, tem sofrido fortes quedas. 

fundo parallax

Ciclovias e ciclofaixas

Outra questão muito atual e que merece atenção é à utilização de bicicletas como transporte, por se tratar de um meio de locomoção econômico, sustentável e ambientalmente mais saudável. A maneira como a Prefeitura vem trabalhando esse assunto tem me preocupado muito, pois estamos vendo um aumento na implantação de ciclofaixas e ciclovias com custos elevadíssimos e na maioria das vezes sem a participação da população na tomada de decisões. Tais implantações pecam pela falta de planejamento, pela ausência de interligação entre esses equipamentos e pela falta de respeito às normas técnicas que estabelecem os padrões para implantação das mesmas.

Pretendo atuar na fiscalização dos recursos destinados a essas obras com o intuito de oferecer à população a maior quantidade possível de rotas integradas com outros meios de transporte, com estudos de viabilidade e sempre ouvindo a população para consolidar uma ação mais democrática e adequada a cada caso. Sempre buscando valores mais saudáveis para as finanças públicas que atendam a necessidade e os interesses de todos os grupos envolvidos, como pedestres, usuários de bicicletas, carros, caminhões, transporte público, moradores e comerciantes das regiões que contemplam as rotas.

Multas

Os recursos obtidos com as infrações de trânsito têm aumentado muito a receita da Prefeitura, porém temos que ter um olhar mais crítico em relação a como os recursos estão sendo captados e utilizados e os benefícios que eles têm gerado ao transporte de maneira geral. Não é raro observarmos que a obrigação de aplicação desses recursos no próprio segmento de transporte e trânsito não tem sido obedecido e acaba sendo usado para outros fins. Existe o Projeto de Lei nº 5269/2016 de autoria do Deputado Goulart que tramita no Congresso Nacional e estipula o salário mínimo como parâmetro limitador para a fixação dos valores das multas de trânsito e visa manter uma equação entre a penalização e a receita oriunda das multas. O Código Brasileiro de Trânsito precisa ser cumprido, as penalizações devem ser aplicadas mediante as infrações, mas os valores devem ter um limitador para não incentivarmos a “indústria da multa” como fonte de receita para o munícipio. 

fundo parallax

Velocidade

As autoridades municipais afirmam que a redução de velocidade nas vias da Cidade de São Paulo tem reduzido a  ocorrência de acidentes, porém, diversas cidades da grande São Paulo que não tiveram nenhuma redução no limite de velocidade em suas vias, apresentaram a mesma redução no número de acidentes. Nesse sentido, pretendo apresentar uma proposta de estudos que proporcione o aumento de velocidade em consonância com o Código Brasileiro de Trânsito que estabelece, por exemplo, o limite de 80 km/h em vias de trânsito rápido como as Marginais, 60 km/h nas vias arteriais, como a Av. Rubem Berta e Av. Washington Luís e Radial Leste, e assim por diante. Com a aplicação de velocidades adequadas, acredito que deixaremos os motoristas menos expostos e suscetíveis a assaltos durante o período noturno. 

Companhia de Engenharia de Trafego (CET)

Outra demanda urgente é a promoção de melhorias na CET, por meio de treinamento adequado dos agentes de trânsito através de cursos e estágios de aperfeiçoamento para atualização profissional, bem como aumento do efetivo e condições técnicas, visando maior profissionalização na atividade de fiscalização, operação e estudos estratégicos. Existe ainda a necessidade de mudança na estratégia operacional, dando mais ênfase à orientação dos motoristas e minimizando a aplicação de multas, desativando a “indústria das multas” tão criticada pela sociedade paulistana. Dessa forma, pretendo trabalhar na esfera municipal para que os agentes de trânsito tenham suporte na reciclagem, na questão da fiscalização e do policiamento ostensivo, conforme Projeto de Lei nº 5388/2016 apresentado pelo Deputado Goulart.